A Saga do Ski. Episódio IV. Uma nova esperança.

Um novo dia se inicia. No último episódio contei-vos o drama da minha luta contra a encosta e o resultado. Uma semana depois penso que se calhar não devia ter exagerado tanto porque agora tenho de transformar este episódio num comeback incrível, uma coisa ao nível de, sei lá, quase todos os combates do Rocky, e não sei como vou fazer isso. Mas tentemos.

Era um novo dia: a new power was rising. Eu.

Fiquei no grupo do K. Fomos logo para a pista azul. Já não éramos nenhuns be-bés, be-bés (ler ao som de “Já Não Sou Bébé” de Romana).

PIsta azuuuuul!

O K. era muito fixe. Tornava os exercícios mais divertidos e trazia muito bom-humor ao grupo. O que era óptimo porque nós éramos o refugo daquele curso. As criaturas que claramente não tinham nascido para descer encostas de neve graciosamente. Ou descê-las, pronto.

E hoje haveria novamente gravações das nossas performances. A manhã seria passada a treinar a descida do final da pista azul. No final da manhã o Ken ia tirar-nos fotos. (Jesus, o Ken outra vez. E com uma máquina fotográfica!)

Mas isto hoje tava a correr mesmo bem, nada de quedas, tava a conseguir dominar isto. Mas, claro, como o ultimo episódio nos ensinou, isso não é garantia nenhuma. No melhor pano cai a nódoa.

Lá chegou o temido momento, descer a encosta e enfrentar a objectiva do Ken. Na minha cabeça, como em todos os momentos em que preciso de reunir força mental, tocava o “Eye of the tiger“.

E… TRIUNFO! UUUH UUUUH WE DID IT (Sim, eu falo de mim no plural para acomodar as minhas várias personalidades).

Super confiante, continuei a minha caminhada elegante pelas encostas e ainda demos um salto a pista vermelha antes do almoço. E a confiança foi-se outra vez. Raisparta o ski! Além dum desporto de montanha isto é uma montanha-russa de emoções.

* PAUSA PARA ALMOÇO *

Depois do tacho voltámos à pista vermelha. À porcaria da pista vermelha.

O K. tinha muuuuuuita paciência connosco. Nós fartámo-nos de cair naquela pista. Mas ele não desistiu. E mais umas voltas, mais uns exercícios. E agora sem um bastão. E agora sem os dois. E agora sem dentes. Não, não foi o caso. Custou mas lá chegámos.

Depois de descer aquilo tantas vezes, lá engatámos com a coisa. E voilá! Gosto de esquiar! Uuuuh uuuuuh!

Sim, depois deste suspense todo foi isto que aconteceu. Tentei sacar um “Hobbit” e desdobrar este episódio em dois fantásticos episódios. Olhem, não deu.

E agora vou-me embora que tenho uma panela com coronavírus ao lume.